A anemia e baixa de testosterona são mais diagnosticadas em pacientes mais velhos. A prevalência de anemia é de aproximadamente 10% em adultos mais velhos e tende a ser maior em homens que em mulheres. Várias causas de anemia em idosos são reconhecidas, incluindo deficiências de ferro e vitamina B12, inflamação crônica e doenças sistêmicas aguda e crônicas, insuficiência renal crônica e síndromes mielodisplásicas, etc. Em aproximadamente um terço dos adultos mais velhos com anemia, no entanto, nenhuma causa reconhecida se encontrou. Além disso, nenhum tratamento melhora a anemia inexplicada. Se você tem anemia, é bom ler este artigo.

baixa de testosterona

Classificação da anemia

Define-se anemia quando a hemoglobina é menor ou igual a 12.7 g/dL. As principais causas de anemia são:

Os anêmicos que não preenchem nenhum desses critérios são classificados como portadores de anemia inexplicada. Além disso, há casos que sua origem é multifatorial.

Reposição de testosterona em pacientes baixa de testosterona e anemia

Um estudo recente americano multi-institucional, em 12 centros médicos, avaliou se a reposição de testosterona em homens com mais de 65 anos. Assim, considerou-se baixa de testosterona quando era menor que 275 ng/mL. O tratamento foi favorável quando a concentração de hemoglobina aumentava em 1,0 g/dL. O seguimento dos pacientes foi de 12 meses, de junho de 2010 a junho de 2014.

O estudo era duplo-cego, pacientes tratados versus controles ou não-tratados, com níveis de testosterona menor de 275 ng/dL. Dos 788 participantes, 126 eram anêmicos (hemoglobina 12,7 g/dL), 62 dos quais não tinham causa conhecida. O tratamento aplicado foi com gel de testosterona e a dose ajustada para manter os níveis de testosterona normais para homens jovens, ou gel placebo por 12 meses.

Reposição em pacientes com baixa de testosterona e anemia

Resultados: Os homens tinham uma média de idade de 74,8 anos. O índice de massa corporal (IMC) (calculado como peso em quilogramas dividido pela altura em metros quadrados) foi de 30,7 e 84,9% dos pacientes eram brancos.
O tratamento com testosterona resultou em uma maior porcentagem de homens com anemia inexplicada que depois de 1 ano, o níveis de hemoglobina aumentou em 1,0 g/dL ou mais em relação ao valor basal (54%) do que em placebo (15%) (OR ajustada, 31,5; IC95% 3,7-277,8; p =0,002). Além disso, houve um maior percentual de homens que em 1 ano não estavam mais anêmicos (58,3%) em comparação com placebo (22,2%) (OR ajustada 17,0; IC 95%, 2,8-104,0; p =0,002).

O tratamento com testosterona também resultou em uma porcentagem maior de homens com anemia de causa conhecida, que depois de 12 meses, os níveis de hemoglobina aumentaram em 1,0 g/dL ou mais (52%) do que o placebo (19%) (OR ajustada, 8,2; IC 95%, 2,1-31,9; p =0,003). O tratamento com testosterona resultou em uma concentração de hemoglobina de mais de 17,5 g/dL em 6 homens. Assim sendo, estes pacientes não tinham sido considerados anêmicos no início do estudo.

Conclusões: Entre homens mais velhos com baixos níveis de testosterona, o tratamento aumentou significativamente os níveis de hemoglobina daqueles com anemia inexplicada, assim como aqueles com anemia de causas conhecidas. Esses aumentos foram clinicamente significativos, como sugerido pela magnitude das alterações e pela correção da anemia na maioria dos homens. Todavia, os benefícios gerais para a saúde ainda devem ser estabelecidos.

Anemia e baixa de testosterona, finalizando:

Portanto, deve-se avaliar os níveis de testosterona em homens com 65 anos ou mais que apresentam anemia inexplicável e sintomas de baixos níveis de testosterona. Assim sendo, indica-se a reposição de testosterona para alguns pacientes com hipogonadismo. De tal maneira, pode-se melhorar suas qualidades de vida.

O estudo mostrou claramente que a reposição de testosterona pode desempenhar papel importante no tratamento de pacientes com anemia. Portanto, a reposição de testosterona melhorou a anemia, com consequente melhora clínica. Desse modo, os idosos com hipogonadismo (baixa de testosterona) podem ter sintomas importantes relacionados a sua queda. Logo, se tratados adequadamente melhoram sua qualidade de vida.

Concluindo, o tratamento da deficiência de testosterona tem impacto muito significativo para o bem estar geral do pacientes, já que a testosterona atua em muitas órgãos para melhorar a funcionalidade do nosso organismo. A anemia é apenas uma das consequências da queda da testosterona. Por consequ, o sistema hematopoético precisa de níveis adequados da testosterona para sua manutenção. Por consequência, sua reposição melhora a disposição geral do pacientes, tornando-os mais ativos no seu dia-a-dia.

Contudo, caso você queira saber mais sobre esta e outras doenças do trato gênito-urinário acesse a nossa área de conteúdo para pacientes para entender e ganhar conhecimentos. São mais de 150 artigos sobre diversos assuntos urológicos disponíveis para sua leitura. A cultura sempre faz a diferença. Você vai se surpreender!

Referência

http://Roy CN, Snyder PJ, Stephens-Shields AJ et al. Association of Testosterone Levels With Anemia in Older Men. A Controlled Clinical Trial. JAMA Intern Med. 2017;177(4):480-490.