EnglishPortuguês

Câncer de próstata de alto risco

Baixa testosterona - Como resolver?

Câncer de próstata de alto risco e de muito alto risco é detectado quando o paciente realiza exames para detecção do câncer ou por sintomas miccionais. Estes pacientes podem ser assintomáticos ou não. Todavia, podem apresentar sinais e sintomas urinários relacionados ao trato urinário inferior (LUTS), ao componente benigno presente na próstata. A doença pode estar confinada na próstata e não apresentar metástase. A metástase ocorre quando o câncer saiu do seu órgão de origem e está em outro. Estes pacientes têm grande risco de comprometimento linfonodal da pelve. A pesquisa da extensão da doença (estadiamento da doença) é baseada em exames de imagem.

Este artigo tem como objetivo mostrar como você pode ser tratado conforme a classificação do risco do câncer do câncer de próstata. Este artigo foram gerados conforme o pensamento de muitos especialistas em uro-oncologia sobre o assunto (NCCN, National Comprehensive Cancer Network). Para tal, se reuniram para criar as estratégias de tratamento conforme a classificação de risco da doença. Os cânceres de próstata de alto risco e de muito alto risco são os que apresentam evoluções clínicas com grande risco de recidiva precoce da doença após instituir qualquer tratamento local.

câncer de próstata de alto risco
Câncer de próstata de alto risco, escore de Gleason 8,9,10, linfadenectomia

Classificação do câncer de próstata de alto risco

O câncer de próstata de alto risco é classificado quando preenche as seguintes características. Portanto, pode apresentar qualquer uma das seguintes características:

  • Estadio clínico T3a: Tumor cresce para fora da próstata, mas sem invadir a vesícula seminal. Portanto, o toque retal ou exame digital da próstata apresenta próstata endurecida e com fixação uni ou bilateralmente . Assim, e extensão local da doença pode ser confirmado pela ressonância nuclear magnética multiparamétrica ou
  • Grau de grupo 4 [escore de Gleason 8 (4+4, 3+5, 5+3)] ou grau de grupo 5 [escore de Gleason 9 ou 10 (4+5, 5+4, 5+5)] ou
  • PSA maior de 20 ng/mL.

Câncer de próstata de muito alto risco

O câncer de próstata de muito alto risco é classificado quando preenche todas as seguintes características. Portanto, algumas delas têm que estar presente:

  • Estádio clínico T3b: Tumor cresce para fora da próstata e invade a vesícula seminal ou EC T4: Tumor está fixo ou invade o esfíncter externo, bexiga, elevador do ânus e parede pélvica ou
  • Gleason primário 5 [escore de Gleason 9 ou 10 (4+5, 5+4, 5+5)] ou
  • Mais de 4 fragmentos grau de grupo 4 ou 5

Classificação do escore de Gleason

O paciente é classificado como escore de Gleason 8, 9 e 10 na biopsia, portanto do grupo grau 4 ou 5. Portanto, quando o câncer de próstata tem na análise do patologista, o escores altos, sempre os pacientes devem ser considerados de alto risco e portanto, seu tratamento deve ser feito com maior agressividade. A expectativa de vida é de 20% em 10 anos.

A estratégia de tratamento deve ser discutida conforme a sua expectativa de vida. Assim, a expectativa de vida está relacionada a sua idade e também depende de outras doenças clínicas associadas. As vezes, doenças como a hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus, coronariopatia e outras podem apresentar mais risco para sua vida do que o câncer de próstata diagnosticado.

Condutas de tratamento do câncer de próstata de alto risco

A conduta terapêutica será determinada com a colocação sobre a possibilidades de tratamento e escolha do paciente, avaliando seus prós e contras. As vezes, a conduta pode ser individualizada conforme as condições clínicas do paciente.

Quais são as opções de tratamento?
Radioterapia externa com hormonioterapia por 2-3 anos
Radioterapia externa + braquiterapia com hormonioterapia por 1-3 anos
Prostatectomia radical com linfadenectomia estendida

Tratamentos possíveis após o tratamento inicial (Tratamento adjuvante)

Os pacientes com expectativa de vida menor que 10 anos podem ser tratados por observação ou com hormonioterapia, podendo ser contínua ou intermitente.

Tudo vai depender dos achados anatomopatológicos quando o tratamento inicial for a cirurgia radical da próstata, a prostatectomia radical, que pode ser feita aberta, videolaparoscópica ou robótica.

  • Se o tumor não for de alto risco na análise da peça anatomopatológica e se não houver comprometimento linfonodal, apenas observação.
  • Anatomopatológico da peça de alto risco, mas sem comprometimento linfonodal: observação ou radioterapia no leito operatório e pélvico.
  • Anatomopatológico da peça de alto risco e com linfonodos comprometidos: observação ou radioterapia externa e hormonioterapia.

Caso você queira saber mais sobre esta e outras doenças do trato gênito-urinário acesse a nossa área de conteúdo para pacientes para entender e ganhar conhecimentos. São mais de 125 artigos sobre diversos assuntos urológicos disponíveis para sua leitura. A cultura sempre faz a diferença. Você vai se surpreender!

Referência

https://www.nccn.org/professionals/physician_gls/pdf/prostate.pdf

https://www.nccn.org/patients/guidelines/prostate/2/index.html

× Agende sua consulta