O que é?224801128_casal_jovem_mulher_beijos_batom

A varicocele (varicocele) é a dilatação das veias do conduto espermático (local onde passam as artérias, veias e linfáticos que nutrem os testículos e epidídimos) que na maioria dos casos é uma anomalia congênita, estimando que até 20% dos homens são portadores e que na sua maioria, são assintomáticos. Existem doenças que podem causar a dilatação destas veias e ocorrem na sua maioria por tumores volumosos, principalmente os sarcomas que são neoplasias muito raras) que venham a comprimir a veia espermática que passa no retroperitônio (área anatómica que se encontra atrás do abdômen. Outros tumores que podem causar a varicocele secundária são os tumores renais ou da adrenal esquerda, que por ventura cresçam dentro da veia renal esquerda, pois a veia espermática esquerda desemboca inferiormente nesta veia, e ainda que estes trombos tumorais possam crescem também dentro da veia cava (principal veia do abdômen que transporta o sangue ao coração). A veia espermática direita desemboca na veia cava. A varicocele não afeta a ereção.

 

Sinais

Como foi dito geralmente estes pacientes não apresentam nenhum sintoma de dor testicular. Nos casos mais avançados as veias dilatadas podem ser vistas na hemibolsa escrotal esquerda. Alguns casos podem referir dor quando realizam exercícios físicos vigorosos, mas isto é uma exceção. O diagnóstico pode ser feito durante exame físico de um adolescente, já que a dilatação das veias espermáticas ocorre durante a puberdade. Raros casos podem ser vistos em crianças. Pode ocorrer atrofia testicular unilateral e bilateral. Raros casos, por dano intenso dos testículos podem causar baixa da produção de testosterona. Pode ser a causa de infertilidade masculina.

 

Diagnóstico

O diagnóstico geralmente é feito durante exame físico da genitália, pela visualização das veias dilatadas. Algumas vezes é feito ao se palpar o testículo e observar que o testículo esquerdo é menor que o direito, ou mesmo dor se apresentar mais amolecido, com diminuição da sua firmeza. A varicocele pode causar dano a ambos os testículos. Não há dor ao exame físico e se ocorrer deve-se pensar que outra anormalidade está ocorrendo e geralmente é causada por infecção crônica instalada no epidídimo. Nestes casos é possível observar a expressão de dor facial ou mesmo que o paciente o acuse durante o exame físico.

A varicocele causa uma alteração da composição do espermograma, que chamamos de oligoastenospermia (diminuição do número e mobilidade dos espermatozóides). Esta é a principal causa de subfertilidade masculina (infertility). Entretanto, a varicocele não necessariamente vai causar um dano expressivo a qualidade dos espermatozoides, e muitos homens são pais, sem nunca saberem da existência da doença. Esta alteração ocorre por que os testículos, como ocorre em todos os mamíferos, devem ter sua temperatura menor que a do corpo, em torno de 2 graus centígrados. Existem outras teorias que procuram explicar o dano ao testículo, como a chegada de metabólitos provenientes dos rins e da adrenal que podem interferir a espematogênese (formação dos espermatozóides no testículo).

O varicocele é dividida em graus. No grau I, as veias são pequenas e somente palpada sua dilatação pela manobra de Valsalva (aumento da pressão abdominal ao se soprar com o dorso da mão obstruindo a saída do ar pela boca) ou ser constatada durante o exame de Doppler. Grau II, as veias não são visíveis na inspeção deitado, mas palpadas de pé. Grau III, veias facilmente visíveis na visualização da bolsa testicular e ainda mais quando de pé. O diagnóstico definitivo e mais preciso é hoje feito com uso do ultrassom Doppler, que mede o tamanho exato dos testículos e das veias espermáticas, e na manobra de Valsalva se observa o direcionamento inverso do fluxo venoso (ao invés de subir, desce, causando aumento da dilatação da veias espermáticas). Os pequenos vasos do plexo pampiniforme do funículo espermático geralmente variam de 0,5-1,5mm em diâmetro. A dilatação destes vasos em mais de 2mm confirma o diagnóstico. Muitos casos são diagnosticados por investigação de casal infértil. Esta investigação geralmente começa após um ano do casal tem relação sexual sem uso de nenhum método anticoncepcional.

 

Tratamento

O tratamento da varicocele é cirúrgico. Se for do lado esquerdo, como geralmente o é, a cirurgia é feita por incisão inguinal sobre o cordão espermático. Nesta cirurgia são interrompidas todas as veias do cordão espermático. Se o Doppler mostrar varicocele bilateral deve ser feito bilateralmente (isto ocorre em 10% dos casos). Como raros casos de varicocele causam dor, e portanto, não se deve operar um paciente com varicocele dizendo que sua dor será resolvida. Geralmente a dor é causada por outra doença concomitante a varicocele. Este paciente deve obrigatoriamente ser investigado para se descobrir a verdadeira razão da dor.

Após a cirurgia, deve-se acompanhar os pacientes com espermogramas realizados a cada 3 meses para verificar a melhora da qualidade do sêmen. Este é o tempo para formação dos espermatozoides que estão sendo produzidos ao longo da vida pelo testículos. Pacientes com varicocele, portadores de subfertilidade, conseguem tornar-se pais em torno de 50% após serem submetidos a correção da varicocele. Quanto mais jovens os pacientes forem diagnosticados e tratados, maiores serão as chances deste sucesso. Testículos muito hipotróficos (diminuídos) já estão mais afetados e muitas células, as espermatogonias, já foram perdidas. É possível no pós-operatório observar que alguns casos operados, os testículos venham a aumentar de tamanho, tornando-se mais tróficos (mais consistentes e firmes) e mostrando claramente sua recuperação.

 

Prevenção

Não existe nenhuma forma de prevenção já que é uma anomalia congênita. Os pacientes adultos que observarem aumento súbito do volume das veias no escroto e bolsa testicular mais pesada devem procurar seus médicos para investigação diagnóstica rapidamente, pelo risco de serem portadores de uma neoplasia.